Stock market on display

Varejo aposta no futuro do FFLV com demanda por saudabilidade e aumento do e-commerce

A pandemia fez as pessoas se preocuparem mais com a saúde e assim, aumentando o consumo de alimentos saudáveis. A cadeia de Frutas, Legumes e Verduras (FFLV) teve um aumento médio de 20% no consumo e conseguiu manter o abastecimento desde o início do isolamento social.

“O FFLV talvez seja um dos segmentos com maior potencial de transformação nas próximas décadas, o que torna o desafio de se preparar para o futuro ainda mais complexo e exige que as empresas revejam suas estratégias”, provoca Valeska de Oliveira, representante da PMA no Brasil, a entidade que representa a indústria de FFLV.

De olho nesses desafios, a entidade reuniu três ícones do varejo, das regiões sudeste e centro-oeste, para discutir o futuro do FFLV: GPA, Hortifruti Natural da Terra e COMPER.

Desde o início da pandemia, todos tiveram aumento nas vendas de FLV nas lojas e no e-commerce. Para Thiago Picollo, CEO do Hortifruti Natural da Terra, com 61 lojas no Sudeste e 40% de participação do segmento do FLV no faturamento, o momento é muito bom para o setor. “Tivemos um crescimento das vendas online de “10 anos em 10 semanas”, mas o desafio é a logística de entrega, que precisa corresponder ao produto que foi comprado no e-commerce. Só no segmento de orgânicos crescemos 25% ao mês. O consumidor mudou o comportamento: está mais exigente e atento à manipulação de produtos e temos que atender suas expectativas”, relata.

Enquanto isso, Rafael Guinutzman, Gerente Comercial do GPA, rede presente em todo Brasil, afirmou que a rápida adaptação que a pandemia impôs, resultou no aumento significativo de vendas online e no serviço de delivery do Grupo. “Foco na qualidade do produto e a segurança são essenciais e mantivemos as promoções de hortifruti em dias específicos nas bandeiras Extra e Pão de Açúcar, mas o impressionante foi o aumento nas vendas on line”.

Qual o desafio do varejo em regiões de grande a distância dos centros produtores de FLV? A COMPER, uma das maiores redes supermercadista do Centro-Oeste, montou um modelo de operação ágil para garantir o abastecimento nas lojas. Maurício Costa Almada, Diretor comercial de perecíveis, contou que a rede superou a dificuldade de logística, manteve o abastecimento com parcerias com pequenos produtores da região e o consumidor continuou prestigiando a “quinta-feira verde”. “O momento nunca foi tão bom para o FLV como agora porque o consumidor quer saudabilidade, alimentação balanceada e sortimento”.

De consenso, o varejo avalia que o futuro da indústria do FFLV é promissor, mantendo a produção e o abastecimento, garantindo que o consumidor encontre produtos de qualidade, com segurança alimentar e embalagens adequadas. Com a volta de frequência nas lojas, a experiência será um diferencial com degustação e áreas mais amplas para refeição rápida e circulação. “O e-commerce se manterá em crescimento, mas deve-se investir em planejamento para manter o sortimento e não ter ruptura na expectativa do cliente”, afirma Rafael Guinutzman, do GPA.

A tendência de longo prazo é animadora, com parcerias com pequenos produtores e investimentos em inovação, embalagens diferenciadas e a marca FLV com valor agregado.

As perspectivas são boas também para venda de flores, que depois da queda no início da pandemia, recuperou mercado e se mantém em alta, por proporcionar alegria e harmonia para a casa. “Devemos investir na informação de cuidados de plantas e flores para aumentar as vendas”, sugere Thiago Piccolo, do Hortifruti Natural da Terra.

Conectar a cadeia, dialogar sobre os gargalos e as oportunidades do setor são essenciais para desenvolver a indústria do FFLV, ampliar a participação no faturamento do varejo e engajar o consumidor na compra de produtos saudáveis.

Sobre PMA – Produce Marketing Association é uma associação global de produtos agrícolas frescos e flores, fundada em 1949, com a missão de conectar os interesses das cadeias produtivas de frutas, flores, legumes e verduras. A entidade conta com 2.900 empresas associadas, 54.000 compradores e fornecedores, em 55 países de cinco continentes. No Brasil, a entidade conta com 96 associados (produtores, distribuidores, fornecedores de produtos/serviços e varejistas).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Tudo sobre a economia do país

Na hora de abastecer, qual o combustível mais econômico?

Na hora de abastecer, qual o combustível mais econômico?   Na hora de abastecer um carro flex, a dúvida sobre qual combustível colocar em seu tanque é bastante grande. Existe...

Como evitar uma bolha de inadimplência no mercado?

Como evitar uma bolha de inadimplência no mercado? Por Mário Conforti Seis em cada dez brasileiros deixaram de pagar alguma conta no mês de maio por causa da pandemia. Entre...

Banco Central aperta cerco contra lavagem de dinheiro e ocultação de bens

Banco Central aperta cerco contra lavagem de dinheiro e ocultação de bens O TreeCompliance permite a implementação imediata de qualquer política de conformidade Por Odilon Costa A partir de 1º...

Quase 2 milhões de empresas devem migrar de regime com a nova Reforma Tributária

A proposta que o Governo Federal enviou ao Congresso Nacional – e que tende a ser aprovada em breve – deve fazer com que cerca de 50% das empresas hoje...

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com