Coronavírus: regime de teletrabalho tem implantação acelerada por empresas de todo o país

  • Cerca de 45% das empresas brasileiras já se utilizam do trabalho remoto, modalidade que deve crescer com a pandemia; 
  • Temática foi abordada por especialistas no lançamento de grupo empresarial sobre reforma trabalhista, promovido pelo World Trade Center Curitiba (WTC)

Legenda da imagem: Cerca de 70 pessoas assistiram às palestras dos advogados Célio Neto e Christian Schramm, além do executivo Adeildo Nascimento, diretor de pessoas da Madeira Madeira. Na foto, com Josias Cordeiro da Silva, CEO do WTC Curitiba, que organizou o evento. Fotos: Valterci Santos

Antes vistos como modalidade facultativa de trabalho ou mesmo para atividades criativas, o teletrabalho e o home office já são realidade em 45% das empresas brasileiras. Outras 15% estão estudando sua implantação, que vem sendo acelerada no cenário de pandemia do coronavírus nas maiores cidades do país. Essa e outras temáticas relacionadas ao novo mercado de trabalho foram abordadas nesta quinta-feira (12), no evento de lançamento do Grupo de Reforma Trabalhista e Terceirização (GRTT), idealizado pelo World Trade Center Curitiba (WTC).

Com entrada gratuita, destinado a associados e convidados das áreas jurídicas e de RH, o evento contou com palestras de três especialistas: Adeildo Nascimento, diretor de pessoas e cultura da Madeira Madeira; e os advogados Célio Neto, doutor em Direito Trabalhista, e Christian Schramm,  membro do Conselho Temático de Relações do Trabalho da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep).

Home office e Contrato Verde e Amarelo

Especialista em teletrabalho, que envolve qualquer atividade realizada fora da sede da empresa, e o popular home office (realizado na casa do empregado), o advogado Célio Neto falou sobre o cenário trabalhista empresarial em 2020, que inclui ainda o Contrato Verde e Amarelo com a MP 905 – que, entre outros pontos, busca reduzir ou flexibilizar os encargos, para novos postos de trabalho e contratos de até 24 meses (para funcionários de 18 a 25 anos que recebam até um salário mínimo e meio).

“O trabalho remoto envolve mudança de mentalidade da parte dos empregadores e dos empregados. Também requer vários cuidados e formas de se viabilizar as atividades, especialmente em relação à Lei Geral de Proteção de Dados, a LGPD. Mas é inegável que o home office é uma realidade que veio para ficar e precisa ser analisada sob a ótica do direito trabalhista, até porque hoje 45% das empresas brasileiras já se utilizam dessa modalidade com seus quadros de funcionários”, pontuou.

Cuidados com a terceirização

Já Christian Schramm ministrou a palestra “Terceirização: cenários e cuidados atuais”, abordando o entendimento da justiça do trabalho sobre a terceirização, inclusive com posicionamento do Supremo Tribunal Federal que propiciou novas oportunidades para as empresas. “Antes da reforma trabalhista, havia muita omissão na legislação sobre a terceirização, salvo algumas exceções pontuais em áreas como vigilância e vagas temporárias. É preciso cuidado da parte das empresas ao aplicar este instituto, para que não levantem passivos trabalhistas e prejuízos ao invés de vantagens.”

Novo mundo, nova legislação

Adeildo Nascimento mostrou como a nova cultura digital da chamada Era Cognitiva conversa com a legislação trabalhista do ponto de vista da empresa. “Este novo mundo demanda uma nova legislação. A era do robô inteligente, que otimiza nosso dia a dia de trabalho, precisa ser a era do ser humano com propósito. Quando consideramos os aspectos culturais desse novo momento digital, vemos que ele influencia e impacta diretamente os aspectos econômicos, trabalhistas, sociais e corriqueiros do dia a dia. O capital intelectual ganha cada vez mais espaço. As entregas e resultados ganham outras mensurações palpáveis. Há tempos essa discussão está em alta, mas nunca foi tão urgente debater essas questões.”

Networking estimulado

Cerca de 70 executivos e profissionais das áreas jurídicas e de RH estiveram no evento que lançou o Grupo de Reforma Trabalhista e Terceirização (GRTT). Com encontros bimestrais, limitados a 25 participantes fixos, o grupo busca estimular a competitividade entre os participantes, por meio das discussões e soluções de questões em comum relativas aos temas debatidos em cada encontro.

Para Diogo do Valle, diretor tributário da Philip Morris International e presidente do Grupo de Tributos e Desburocratização (GTD), o debate foi muito produtivo, além de facilitar o networking entre os grupos do WTC e fortalecer a imagem da associação. “Pelo viés jurídico e tributário debatido no GRTT, encontramos ecos nas nossas pautas do GTD. As multinacionais estão tendo que se adaptar, em relação ao teletrabalho, que é uma realidade. Foi abordado o lado jurídico da reforma, o efeito sobre as pessoas e os dados por trás disso tudo, com lidar com a confidencialidade.”

Já Marco Michaluate, fundador da New Value, está bastante familiarizado com as temáticas debatidas. “Gostei muito do evento, tem um potencial gigantesco, sou fã do WTC em SP e Curitiba, a troca de informações é muito boa para todos. Estamos finalizando a implantação da LGPD na nossa empresa, e debater o teletrabalho é fundamental, principalmente agora, em face da pandemia do coronavírus: estamos dividindo as duplas de trabalho a partir da semana que vem, até porque hoje em dia você faz tudo com um notebook. Tivemos que acelerar a implantação”, afirma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Tudo sobre a economia do país

Na hora de abastecer, qual o combustível mais econômico?

Na hora de abastecer, qual o combustível mais econômico?   Na hora de abastecer um carro flex, a dúvida sobre qual combustível colocar em seu tanque é bastante grande. Existe...

Como evitar uma bolha de inadimplência no mercado?

Como evitar uma bolha de inadimplência no mercado? Por Mário Conforti Seis em cada dez brasileiros deixaram de pagar alguma conta no mês de maio por causa da pandemia. Entre...

Banco Central aperta cerco contra lavagem de dinheiro e ocultação de bens

Banco Central aperta cerco contra lavagem de dinheiro e ocultação de bens O TreeCompliance permite a implementação imediata de qualquer política de conformidade Por Odilon Costa A partir de 1º...

Quase 2 milhões de empresas devem migrar de regime com a nova Reforma Tributária

A proposta que o Governo Federal enviou ao Congresso Nacional – e que tende a ser aprovada em breve – deve fazer com que cerca de 50% das empresas hoje...

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com