Produtos sustentáveis de higiene e beleza crescem em consumo e aumentam participação no faturamento da indústria

“Green is the New Black” mostra que a sustentabilidade já está entre as três maiores preocupações para mais de 32% dos brasileiros.

O mercado de produtos sustentáveis em Higiene & Beleza (H&B) ganhou relevância no faturamento das empresas e está cada vez mais presente no dia a dia das famílias brasileiras, em um ritmo de crescimento que está longe de desacelerar. A conclusão é da Nielsen Brasil no estudo Green is the New Black, divulgado nesta terça-feira (8/10).

Isso porque o conceito de sustentabilidade mudou nos últimos anos. O que antes girava em torno apenas da preocupação com o meio ambiente, hoje permeia várias esferas: desde embalagens sustentáveis, ingredientes naturais, e até teste em animais.

No Brasil, ser sustentável sai do discurso do brasileiro e se torna cada vez mais um fator de decisão no momento de compra. O tema já está na lista das TOP 3 preocupações para mais de 32% da população. Os lares que declaram ter hábitos e atitudes sustentáveis já somam mais de 7 milhões no país e concentram 18,2% do faturamento de Higiene & Beleza.

“A indústria pode ter um papel ativo na conscientização e educação do seu consumidor. Esse mercado está crescendo, as empresas precisam estar atentas para decidirem se querem ser protagonistas ou seguidoras”, disse a líder da Indústria de Higiene & Beleza da Nielsen Brasil, Margareth Utimura.

Segundo o estudo, do total de lares sustentáveis no Brasil, 53,7% são compostos de 3 a 4 pessoas, 65,6% são mulheres e 3,8 milhões pertencem às classes econômicas A e B.

Na análise, a Nielsen apresenta ao mercado uma realidade, com o consumidor tendo características sustentáveis como definidoras da compra. Para isso, foram separadas por categorias: produtos que não são testados em animais (cruelty free); possuem ingredientes naturais e são veganos. Entraram na lista as seguintes categorias: desodorante, sabonete, shampoo, cremes para pele (rosto e corpo), pós-shampoo, bronzeador/protetor solar, maquiagem, fio dental, creme dental e preservativos.

Na pesquisa, feita com apoio do painel online da Ebit|Nielsen, o consumidor declarou que os produtos mais comprados nestes grupos são shampoo (29,9%), sabonete (24,1%) e pós-shampoo (22,5%).

De acordo com Green Is the New Black, o segmento de ingredientes naturais é o que registrou o maior ritmo de crescimento, e, além da embalagem, foi o critério mais reconhecido pelo consumidor como sendo “sustentável”.

O maior segmento é o de cruelty free, que representa 11% do mercado analisado de H&B, e tem taxa de crescimento 61% maior que produtos classificados como não sustentáveis. Já o grupo de produtos veganos, apesar de representar 3% do faturamento, tem aumentado as vendas no mesmo ritmo de cruelty free. Por fim, o grupo de ingredientes naturais é o que tem o maior ritmo de crescimento, com uma taxa de 124%.

Entre as categorias, a Nielsen verificou que 50% das linhas de maquiagem são cruelty free e que o crescimento foi de 6,5%. Com o uso de produtos naturais, temos pós-shampoos (25%), shampoos (15%) e sabonetes (10%)

Canal em destaque

A venda de produtos sustentáveis se dá principalmente em Perfumarias, que ganhou ainda mais importância em relação ao ano anterior. Esse é um canal utilizado pela maioria de mulheres entre 18 e 35 anos, que busca autocuidado e satisfação. Além de ser referência em sortimento, preços baixos e promoções, conta com muitos materiais de divulgação e promotores que dão apoio na decisão do consumidor, também aqui são encontrados os produtos mais profissionais.

Sustentabilidade online

A tendência do sustentável também chega com força ao e-commerce, principalmente na busca pelo chamados fabricantes.com, quando a oferta dos produtos só ocorre a partir dos próprios produtores. O Green is the New Black indica que 32,8% das compras de sustentáveis é online, deste total 50% são feitas diretamente em sites de fabricantes. As vendas em lojas físicas são de 67,2%, com destaque para as Perfumarias. A comodidade é apontada por 32,3% dos consumidores para a compra online, melhores preços para 31,4% e a variedade para 25,7%. “Antes existia o mito de que para comprar alguns produtos o consumidor precisava sentir a fragrância, sentir a textura, provar a cor do batom. Estamos vendo que isso está mudando rapidamente, pois o consumidor vai na loja física experimenta o produto e depois volta para o online onde o preço é melhor”, explica Utimura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Tudo sobre a economia do país

No 31º aniversário da Constituição Federal, Brasil coleciona mais de 790 mil normas vigentes

No 31º aniversário da Constituição Federal, Brasil coleciona mais de 790 mil normas vigentes Estudo do IBPT revela que foram editadas mais de 6 milhões de normas durante a vigência...

Até setembro de 2019, foram abertas cerca de 8,5 mil empresas por dia no Brasil

Até setembro de 2019, foram abertas cerca de 8,5 mil empresas por dia no Brasil Dados do Empresômetro revelam que empreendedorismo continua crescendo no país Outubro de 2019 – Ser empresário...

Advogado analisa acertos e pontos críticos da Lei da Liberdade Econômica

Para Fernando Forte, advogado do escritório Tardioli Lima, principal objetivo da lei é desburocratizar as atividades econômicas – mas alguns pontos ainda merecem atenção   São Paulo, 8 de outubro...

CNAE errada pode causar dores de cabeça para sua empresa

CNAE errada pode causar dores de cabeça para sua empresa Enquadramento indevido pode gerar transtornos como problemas com a tributação e impedir a participação em processos de licitação foto para...

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com