Paraná retoma liderança nacional na produção industrial em julho

Estado registrou crescimento de 7,2% no acumulado do ano, superando o Rio Grande do Sul, e de 4,8% em relação a julho de 2018, enquanto indústria nacional teve queda de 1,7% no acumulado do ano, e de 2,5%, em relação ao mesmo mês do ano passado

Crédito da foto: Gilson Abreu

O Paraná confirmou, em julho, a boa fase no setor industrial. Segundo pesquisa mensal do IBGE, divulgada hoje (10/9), o crescimento da produção foi de 4,8% em relação ao mesmo mês de 2018. No acumulado de janeiro a julho deste ano, a elevação foi de 7,2%, o que permitiu a retomada da liderança do estado no cenário nacional. Rio Grande do Sul ficou em segundo lugar, com alta de 6,9%, e Santa Catarina, em terceiro, com 4,2%.

Os dados da região sul contrariam uma tendência nacional. No mês, a indústria brasileira registrou queda de 2,5%, no comparativo com julho do ano passado, e de 1,7%, no acumulado de janeiro a julho deste ano.

Os setores que mais contribuíram para o bom desempenho do estado em julho foram o automotivo (+31,5%) e metalmecânico, que inclui produtos de metal (+21,7%), máquinas e equipamentos (+16,5%), e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (+3,6%). Automóveis, caminhão trator para reboques e semirreboques, caminhões e peças e acessórios para motor, além de máquinas para colheita, tratores, ar condicionado e produtos metálicos de aço e ferro para indústria de veículos e esquadrias de alumínio foram os produtos que mais se destacaram no mês. No ano, o setor automotivo acumula alta de 25,2%.

De acordo com o economista da Fiep. Evânio Felippe, a boa performance do setor automotivo está alinhada aos últimos dados divulgados pelo setor. Segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos (Fenabrave), em julho, o emplacamento de veículos no Brasil cresceu 13,94% em relação a julho de 2018. E de acordo com informações da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), a produção automotiva no Brasil registrou alta de 8,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

“O aumento da demanda na produção de veículos, aliada à elevação no número de emplacamentos, justifica o crescimento que o setor tem acumulado no Paraná, que é um importante polo industrial do setor no país”, completa o economista.

Outro fator que pode ter contribuído com o bom desempenho do Paraná é a melhora gradual do mercado de crédito. “Houve aumento de 34,2% na concessão de crédito para aquisição de veículos em relação a julho do ano passado. Isso reforça os dados de aumento das vendas dos produtos no mercado interno no mesmo período”, explica o especialista do Núcleo de Acesso ao Crédito da Fiep, João Baptista Guimarães.

“A queda de quase 10% na taxa de juros anualizada, de 22,34% (julho de 2018) para 20,34% (julho de 2019), é um fator que contribuiu nos resultados das vendas dos veículos. Essa redução ocorreu com maior intensidade a partir de janeiro deste ano e tornou o crédito mais barato e acessível para os financiamentos de automóveis”, completa Guimarães.

Felippe destaca ainda que o setor de alimentos também tem desempenhado bem, com alta acumulada no ano de 8,7%. “Principalmente o setor de carnes do estado vem puxando este crescimento. E o resultado pode melhorar ainda mais com o anúncio da China, que ontem habilitou novos frigoríficos brasileiros para exportação de carnes”, afirma.

Dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento dão conta de que o número de plantas industriais brasileiras autorizadas a exportar carnes ao país asiático subiu de 64 para 89, sendo 25 novas, quatro destas sediadas no Paraná.

Investimentos

Para o presidente do Sistema Fiep, Edson Campagnolo, a retomada da atividade industrial no Paraná tem melhorado aos poucos e pode ganhar novo fôlego se os investimentos voltarem à pauta de prioridades dos empresários. “Além da necessidade das reformas, da Previdência e Tributária, evoluírem numa velocidade maior do que vêm ocorrendo em Brasília, da queda nos juros e de uma maior acessibilidade ao crédito, que tornam o ambiente de negócios mais favorável, os investimentos tem papel fundamental para alavancar o setor produtivo”, diz. “Para que o investimento privado ocorra, o empresário precisa estar confiante numa melhora da economia e seguro, seja no aspecto trabalhista, ambiental e jurídico, para que fatores externos não interfiram e não inviabilizem sua atividade, e o país possa voltar a gerar emprego e riquezas, conclui o presidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Tudo sobre a economia do país

Cruzeiros Marítimos injetaram mais de R$ 2 bilhões na economia brasileira

Números são referentes à temporada 2018/2019, que também contabilizou 462 mil cruzeiristas embarcados A CLIA Brasil (Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos) acaba de lançar o Estudo de Perfil e Impactos...

Paraná retoma liderança nacional na produção industrial em julho

Crédito da foto: Gilson Abreu O Paraná confirmou, em julho, a boa fase no setor industrial. Segundo pesquisa mensal do IBGE, divulgada hoje (10/9), o crescimento da produção foi de...

Pesquisa mostra que brasileiro valoriza aprendizagem contínua

Levantamento feito em nove países destaca brasileiros entre os que vêem educação continuada como ferramenta essencial para evolução na carreira Em uma economia em acelerada transformação, na qual o mercado...

Brasil Brokers e Bradesco ampliam parceria para a intermediação de crédito imobiliário

A Brasil Brokers, um dos maiores grupos imobiliários do Brasil, estendeu por mais dez anos a bem-sucedida parceria entre a Credimorar, unidade de financiamento da empresa, e o Banco Bradesco...

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com