foto do autor

A importância da estruturação de negócios e planejamento estratégico para startups

Por Ricardo Frazzato *

Pesquisar o mercado, planejar as ações, organizar e estruturar são ações básicas para qualquer empresa crescer. E o mercado das startups não é exceção, muito pelo contrário. Por se tratar de um modelo relativamente novo no país, a necessidade de estruturação de negócios e de planejamento estratégico no caso das startups é essencial para quem quer prosperar no mercado. Estudos comprovam que dentre as startups em fase inicial, 90% não atingem a maturidade porque não estavam devidamente estruturadas.

Na fase de seed capital (capital semente), para financiar o teste de hipótese e prova de conceito, as empresas precisam conciliar o potencial de sua tecnologia com as necessidades do mercado para se provarem viáveis e atraentes para receber investimentos. Ou seja, não adianta a ideia ser eficaz, se não houver a estruturação.

Mas como estruturar e planejar esse modelo tão recente no Brasil? O mercado é novo e as disciplinas de negócios apresentam técnicas convencionais aplicáveis a negócios já consolidados, usando parâmetros que refletem o passado e o presente para projetar o futuro. Na visão clássica de se administrar, o futuro das empresas não era muito diferente do passado (incremental). Mas isso mudou radicalmente com a chegada das startups, pois elas e seus segmentos de atuação não têm passado e seu futuro é exponencial. Este é um momento disruptivo no mundo dos negócios e de sua gestão. Neste cenário, os gestores não se sentem preparados e há um choque tanto na cabeça do empreendedor quanto do investidor.

Pensar em estruturação de negócios no início das atividades da startup é o ideal. Assim, tanto os empreendedores quanto os investidores terão segurança no que investir e em como investir. Um diagnóstico que parece simples, mas é extremamente direcionado para esse novo tipo de modelo de negócios. Conhecer o tamanho do mercado, o modelo de negócios, o preço ideal a cobrar pelo produto/solução e a estrutura mais enxuta possível para sustentar uma margem de lucro são essenciais para o sucesso.

O trabalho não é fácil e só essa fase inicial pode levar de 1 a 6 meses. Contudo, os benefícios são muitos: a empresa estar devidamente posicionada para a penetração no mercado e ter relevância no mesmo; cortar gastos; tomar decisões conscientes sobre custos, infraestrutura, pessoal; ter previsão de presente e futuro e, principalmente, atrair investidores que são a chave do crescimento das startups. Tudo isso leva à tão sonhada sustentabilidade e prosperidade da empresa.

Já quando essa organização é feita com a empresa em funcionamento, o tempo de resposta pode ser bem maior e o processo mais denso e complicado. Quanto mais maduro o empreendimento, mais desafiador o processo e maiores são os riscos, uma vez que será necessário se reposicionar, mudar de direção e isso pode gerar um choque nos clientes, nos investidores e na própria empresa.

Com a empresa estruturada e uma vez definido o caminho do modelo de negócio, inicia-se o processo de administração da tese de investimento e monitoramento de performance. São necessários ajustes constantes em função da volatilidade da economia e das dinâmicas de mercado. O essencial é perceber o ambiente e reagir rapidamente a ele, ação que se complica devido ao caráter recente do modelo de negócio das startups.

A necessidade de mudanças e a velocidade que se pede nesse novo ambiente é extremamente desafiadora para empresários, investidores e até para o próprio consumidor da tecnologia. Ter uma tecnologia funcional, conseguir investimentos, estar preparado e bem posicionado no mercado com uma visão consistente de futuro são com certeza um grande desafio. Mas um desafio que pode ser vencido com uma estruturação de negócios e planejamento estratégico adequados.

Ricardo Frazzato é Sócio e CEO da Filius Venture, Engenheiro Mecatrônico formado pela UNICAMP com especialização em Administração e Estratégia de Negócios pela UNICAMP e MBA em Gestão, Marketing e Direito do Esporte pela FGV. Tem formação em Metodologias Ágeis, Design Thinking e Novos Modelos de Negócios e Venture Capital por diversas instituições internacionais. Possui experiência em gerenciamento de projetos complexos, desenvolvimento de novos negócios, produtos e tecnologias. Tem vasta experiência na indústria automotiva, atuando em montadoras e sistemistas.​

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Tudo sobre a economia do país

Cruzeiros Marítimos injetaram mais de R$ 2 bilhões na economia brasileira

Números são referentes à temporada 2018/2019, que também contabilizou 462 mil cruzeiristas embarcados A CLIA Brasil (Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos) acaba de lançar o Estudo de Perfil e Impactos...

Paraná retoma liderança nacional na produção industrial em julho

Crédito da foto: Gilson Abreu O Paraná confirmou, em julho, a boa fase no setor industrial. Segundo pesquisa mensal do IBGE, divulgada hoje (10/9), o crescimento da produção foi de...

Pesquisa mostra que brasileiro valoriza aprendizagem contínua

Levantamento feito em nove países destaca brasileiros entre os que vêem educação continuada como ferramenta essencial para evolução na carreira Em uma economia em acelerada transformação, na qual o mercado...

Brasil Brokers e Bradesco ampliam parceria para a intermediação de crédito imobiliário

A Brasil Brokers, um dos maiores grupos imobiliários do Brasil, estendeu por mais dez anos a bem-sucedida parceria entre a Credimorar, unidade de financiamento da empresa, e o Banco Bradesco...

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com