Teremos um marco legal das Startups no Brasil?

Teremos um marco legal das Startups no Brasil?  
Por Daniel Passinato*

O primeiro trimestre de 2019 reservou uma boa notícia para o ecossistema das Startups. Uma parceria entre MCTIC (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações) e o ME (Ministério da Economia), deu início às tratativas para elaboração de um marco legal para Startups. A expectativa é de que ainda neste mês de abril a comissão de estudos entregue um projeto para consulta publica.

Folha de São Paulo apurou que o projeto envolverá quatro eixos fundamentais: tributos, relações de trabalho, compras publicas e facilitação de investimentos.

Enquanto o texto integral não chega ao nosso conhecimento, no último dia 24/04/2019, por intermédio da Lei Complementar nº 167/2019, dentre outras alterações, tivemos um marco legal histórico para o ambiente tecnológico brasileiro.

Pela primeira vez, o termo “Startup” está em uma lei e foi para modificar a Lei do SIMPLES NACIONAL (Lei Complementar 123/2006).

A justificativa oficial traz o seguinte conteúdo: “Cria o INOVA SIMPLES, regime especial ultra simplificado, de rito sumário, com muitas facilidades para as micro e pequenas empresas do Simples Nacional que se enquadrem no conceito de Start Up, ou seja, empresas inovadoras, de caráter disruptivo e com alto potencial de crescimento, que convivem, porém, com alto grau de incerteza em relação à sua viabilidade, tanto tecnológica quanto econômica. Trata-se de uma medida extremamente necessária para estimular a criação e o crescimento das startups e, consequentemente, a geração de emprego e renda.”

O objetivo, em consenso com a Constituição Federal, é o de dar tratamento diferenciado para startups.

O texto traz uma diferença entre startup incremental e startup disruptiva, sendo esta relacionada a algo totalmente novo e aquela para aperfeiçoar sistemas, métodos ou modelos de negócio, de produção, de serviços ou de produtos.

Em uma primeira análise, observo que algo importante desta legislação foi o acolhimento do vocabulário das Startups, tais como próprio termo “Startup”, mas também por usar as expressões “validação constante” e “condições de incerteza”.  Isso demonstra que o Poder Público está escutando os agentes econômicos especializados e formatando estas expressões para que tenham bom significado jurídico-legislativo.

Vamos ao núcleo duro da novíssima lei. 

Há a instituição de um rito sumário para abertura e fechamento das empresas autodeclaradas Startups, isto é, a tendência é que uma startup consiga a obtenção de CNPJ e conta bancária com muito mais agilidade do que outras espécies de negócios.

Outros dois pontos merecem destaque: 

O primeiro é referente à sede empresarial, que poderá ser em coworking, aceleradora ou incubadoras.

O segundo é a vinculação direta entre o Registro Empresarial e o INPI, isto é, a Startup poderá, ao que tudo indica, na mesma plataforma, solicitar a abertura da empresa e o início da Tramitação no Instituto Nacional de Propriedade Industrial.

O ecossistema da inovação observa esta iniciativa com bons olhos. É um sinal de que o Brasil quer avançar no quesito inovação, dando início pela redução da burocracia.

Esperamos mais e que seja breve.

*Daniel Passinato é advogado especialista em Direito Empresarial (LLM FIEP/PR), sócio da Passinato & Graebin – Sociedade de Advogados. É professor de Direito Empresarial e Direito para Startups. Possui atuação plenamente voltada para o Direito Empresarial, especialmente Direito societário, Direito Contratual, Direito das Startups e Direito Internacional Privado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Tudo sobre a economia do país

Setor cafeeiro conta com mais de 27 mil produtores no país

Empresômetro mostra que nem sempre número de empresas se traduz em maior produção Abril de 2019 - Café, grãos que atribuem sabor a uma das bebidas mais consumidas ao redor...

Futuro promissor para o setor farmacêutico

Futuro promissor para o setor farmacêutico Empurrado pela evolução tecnológica e legislação mais célere, setor tende a crescer Segundo dados do Empresômetro, empresa especialista em inteligência de mercado, o setor...

Com aparato tecnológico, Brasil vê sonegação fiscal reduzir nos últimos anos

Com aparato tecnológico, Brasil vê sonegação fiscal reduzir nos últimos anos Previsão é que em pouco tempo índice de sonegação fiscal esteja nos patamares dos países mais desenvolvidos Tido como...

Movimentação do 13º salário anima setor de cobrança

População economicamente ativa utiliza benefício para consumir e pagar contas Diversos participantes da economia estão em expectativa quanto aos efeitos do 13º salário. Ao receber o pagamento, muita gente aproveita...

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com