Com aparato tecnológico, Brasil vê sonegação fiscal reduzir nos últimos anos

Com aparato tecnológico, Brasil vê sonegação fiscal reduzir nos últimos anos

Previsão é que em pouco tempo índice de sonegação fiscal esteja nos patamares dos países mais desenvolvidos

Tido como um dos vilões do orçamento público do país, a sonegação fiscal vem sofrendo uma grande queda, muito disso se deve pelo alto investimento em tecnologia e fiscalização por parte do Estado.

Estudo do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação – IBPT revela que a sonegação fiscal, que já fora 39% do faturamento das empresas em todo o Brasil, caiu para 17% em 2017, com previsão de contínua queda até se igualar a países mais desenvolvidos. “Estimamos que esse índice esteja na média de países desenvolvidos em três anos”, diz o advogado tributarista e coordenador de estudos do IBPT, Gilberto Amaral.

Ainda assim, são números perturbadores, por exemplo, “o faturamento não declarado é estimado em R$2,17 trilhões de reais, com o não pagamento de tributos na ordem de R$390 bilhões de reais. Para se ter uma ideia do tamanho do rombo, o programa Bolsa Família tem um orçamento de R$29 bilhões e o Ministério da Cultura tem um orçamento total de pouco mais de 700 milhões”, diz Amaral. É um dinheiro que, se bem empregado, poderia manter diversos programas e projetos.

Quanto ao poderio fiscalizatório do país, a maior contribuição foi a facilidade encontrada em sistemas informatizados, com eles o cruzamento de dados se tornou uma grande arma da Receita Federal. Além do aparato digital, o esforço em auditar as contas diretamente nas empresas aumentou e bastante, em 2017 foram mais de 11 auditorias externas, mais de 26% a mais do que no ano de 2016.

Segundo Amaral os maiores índices de sonegação estão nos setores da indústria, comércio e prestação de serviços. “Como observamos nos dados fornecidos pela Receita Federal, o setor industrial brasileiro é o que mais sofre autuações fiscais, somando mais de 56% do total no ano de 2017” ressalta. São mais de R$100 bilhões de reais que cabem às indústrias pagar em tributos sonegados e multas.

O Estudo da Sonegação Fiscal das Empresas Brasileiras está em sua 4ª edição e está disponível ao público em: www.ibpt.org.br

Sobre o IBPT

O Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação – IBPT atua desde 1992 na área de inteligência tributária ao realizar pesquisas, estudos e análises para gerar conhecimento e esclarecer a população sobre o complexo sistema tributário brasileiro. Ao mesmo tempo, vem transmitindo informações e dando consultoria estratégica sobre carga tributária setorial, implementando sistemas de governança tributária e desenvolvendo ferramentas e métodos a fim de incrementar a lucratividade das empresas.

Mais informações podem ser obtidas pelo site: http://www.ibpt.org.br ou pelo telefone (41) 2117-7300.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Tudo sobre a economia do país

Confiança ainda é a palavra de ordem para a Construção Civil

Confiança ainda é a palavra de ordem para a Construção Civil Dados do Empresômetro revelam que taxa de abertura de empresas do setor segue maior que a média anual Agosto...

Saiba como é possível comprar pagando menos impostos

Saiba como é possível comprar pagando menos impostos Por meio do aplicativo Citizen, do IBPT, consumidor tem acesso à sua inflação pessoal e perfil de consumo, além de saber quanto...

A importância da estruturação de negócios e planejamento estratégico para startups

Por Ricardo Frazzato * Pesquisar o mercado, planejar as ações, organizar e estruturar são ações básicas para qualquer empresa crescer. E o mercado das startups não é exceção, muito pelo...

Cinco dicas para fidelizar clientes no salão de beleza

Numa época em que as pessoas se preocupam mais com a estética, a abertura de um salão de beleza pode ser um bom investimento, mas exige atenção. Voltado principalmente ao...

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com