QUER INVESTIR NUM IMÓVEL? VEJA AS DICAS E NÃO CAIA EM CILADA

Sérgio Tavares, Diretor da STavares Consultoria Financeira, com MBA em Gestão Econômica e Financeira de Empresas pela FGV (RJ)

 

É a segunda vez, neste ano, que a Caixa Econômica reduz os juros do crédito imobiliário e eleva a cota de financiamento de imóveis usados. Mesmo diante deste cenário aparentemente promissor, será vantajoso investir num imóvel?

 

Avalie seu objetivo
Primeiro, é preciso saber que o investimento em imóvel não possui boa liquidez como uma aplicação financeira. Ou seja, caso você precise vender o ativo para realizar o lucro na venda, nem sempre o consegue de forma rápida, se comparado ao resgate de um investimento feito no mercado financeiro. Sendo assim, é importante estudar o local, saber se está valorizado no mercado, se existe muita oferta de imóveis na região e se a demanda está grande.

Mas se a finalidade do investimento no imóvel for para moradia, é importante avaliar se o planejamento é morar no local por muito tempo, para que o investimento faça sentido, uma vez que os custos fixos serão muitos altos. Caso o objetivo seja morar por um tempo curto, é muito mais prudente alugar um imóvel e não ter uma obrigação financeira de médio e longo prazo, além de ter espaço para investir em outras alternativas.

 

Entrada maior x entrada menor

Com o aumento da cota para financiamento de imóveis usados, se tornou possível desembolsar um valor menor na entrada. Entretanto, este é um caminho melhor do que os financiamentos que exigem um valor maior?

Com a facilidade de dar uma entrada menor, você não precisará se descapitalizar tanto e comprometerá menos o seu patrimônio. Mas não se engane: quanto menor o valor de entrada, maior será o valor da prestação mensal do empréstimo e o valor da taxa de juros do contrato.

O ideal é não se endividar com um número muito grande de parcelas, que comprometem por muito tempo o orçamento mensal. Sempre que possível, utilize rendas extras, bônus e 13º para quitar parcelas futuras com desconto e, consequentemente, reduzir o tempo de quitação do empréstimo.

 

Cenário real

Hoje, temos mais de 63 milhões de pessoas endividadas e com o nome sujo nos órgãos de proteção ao crédito. Isso tem causado um volume de inadimplência muito alto nas famílias brasileiras. Mesmo com a redução da taxa de juros, as pessoas estão sem poder de compra, o que impossibilita que elas acumulem novas dívidas. O ideal seria o Governo criar opções de refinanciamento das dívidas dos cidadãos para que eles tenham maior disponibilidade financeira para comprar bens e serviços, investir, e, enfim, movimentar a nossa economia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Tudo sobre a economia do país

Novo saque em dinheiro vivo de conta consórcio pode injetar R$ 34 bi na economia

Novo saque em dinheiro vivo de conta consórcio pode injetar R$ 34 bi na economia *Por Marcio Kogut, CEO do Mycon, fintech de consórcios 100% digital Uma excelente notícia para...

Para Eleições de 2020, Congresso desdobra inteligência do Marketing Político 4.0 decorrente da transformação digital

Para Eleições de 2020, Congresso desdobra inteligência do Marketing Político 4.0 decorrente da transformação digital Dias 22, 23 e 24 de junho, evento online gratuito aborda temas como fake news, inteligência...

Impacto da pandemia na indústria do Paraná é o menor da região Sul

O IBGE divulgou esta manhã (terça-feira, 9/6), os resultados da produção industrial no Paraná. Os números revelam uma forte queda no setor em abril, quando a crise do novo coronavírus...

Conhecer os hábitos dos clientes ajuda a vender mais

O banco de dados de uma empresa pode ser uma ferramenta incrível para novos negócios O distanciamento social e a permanência em casa em virtude do Coronavírus mexeram com alguns...

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com