Inovação e tecnologia em sala de aula: é urgente repensar o modelo usado por nossos país

Enquanto a velocidade da tecnologia constrói alunos que serão agentes transformadores da sociedade, professores serão mediadores e facilitadores do conhecimento. Precisamos de estratégias eficientes para apoiar tanto alunos como professores nesta nova jornada

 

*artigo por Beni Kuhn – Fundador da Colaborativa

A inovação e a tecnologia em sala de aula têm o papel de facilitar e melhorar a comunicação entre alunos e professores. Como benefício extra, tem o poder de ampliar a forma de pensar e proporcionar um mundo de conhecimento na palma da mão para alunos que se quer um dia sonharam com a possibilidade de viajar e conhecer outras culturas. Ainda temos as novas profissões que exigem amplo conhecimento e uma enorme capacidade de reflexão para propor soluções. Sendo assim, o aluno necessita de preparo para a nova realidade, afinal os desafios do mundo moderno são muitos.

O modelo tradicional de escola, carteiras, lousas e livros já não é suficiente, é preciso olhar mais adiante e pensar em aulas inovadoras para conquistar uma cultura de aprendizado, que estimule os alunos na busca do conhecimento e na conquista de novas experiências.  O aluno do novo milênio tem em suas mãos o controle do conteúdo que deseja explorar, por isso o professor assume um novo papel, de mediador e facilitador de todo o processo de aprendizagem e do ciclo de conhecimento.

De acordo com o Censo 2017, tecnologia só para a metade das escolas brasileiras

De acordo com Censo de 2017, a tecnologia não está acessível aos estudantes em cerca da metade das escolas de ensino fundamental. “A presença de recursos tecnológicos como laboratórios de informática e acesso à internet ainda não é realidade para muitas escolas brasileiras. Apenas 46,8% das escolas de ensino fundamental dispõem de laboratório de informática; 65,6% das escolas têm acesso à internet; em 53,5% das escolas a internet é por banda larga”.

A tecnologia em sala de aula soma pontos e conta a favor para escolas que desejam salas de aulas animadas, motivadas, interessantes e eficientes. Quando o aluno conta com recursos para interagir e desenvolver suas habilidades é aí que se estabelece a troca de conhecimento e a transformação da qualidade de ensino. Não adianta somente equipamentos tecnológicos em sala de aula. A demanda é por um conjunto de recursos que passam por hardware, software, serviços especializados e gestão, além de professores capacitados e atentos as novidades pedagógicas que referenciam a qualidade do ensino das instituições. Vamos torcer e acreditar que as coisas vão mudar, afinal as eleições estão se aproximando e nós estamos no controle.

*Artigo por Beni Kuhn – Fundador da Colaborativa é economista pela PUC-SP. Desde 2009 estuda e atua em projetos de transformação organizacional. Em 2016 fundou a Colaborativa, uma consultoria de tecnologia educacional que vem apoiando instituições de ensino a inovarem e trilharem o caminho inevitável da transformação cultural e digital na educação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Tudo sobre a economia do país

Futuro promissor para o setor farmacêutico

Futuro promissor para o setor farmacêutico Empurrado pela evolução tecnológica e legislação mais célere, setor tende a crescer Segundo dados do Empresômetro, empresa especialista em inteligência de mercado, o setor...

Com aparato tecnológico, Brasil vê sonegação fiscal reduzir nos últimos anos

Com aparato tecnológico, Brasil vê sonegação fiscal reduzir nos últimos anos Previsão é que em pouco tempo índice de sonegação fiscal esteja nos patamares dos países mais desenvolvidos Tido como...

Movimentação do 13º salário anima setor de cobrança

População economicamente ativa utiliza benefício para consumir e pagar contas Diversos participantes da economia estão em expectativa quanto aos efeitos do 13º salário. Ao receber o pagamento, muita gente aproveita...

Bons resultados no terceiro trimestre

A Evonik aumentou o EBITDA ajustado do terceiro trimestre de 2018 para 692 milhões de euros (ano anterior: 640 milhões de euros). Os dois segmentos de crescimento - Nutrition &...

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com