Young woman shopping in a vintage clothing store

Prevenir perdas para um Natal mais feliz para o varejo

VAREJISTA: AINDA HÁ TEMPO DE REVERTER PREJUÍZO EM LUCRO PARA UM NATAL MAIS FELIZ

Luiz Fernando Sambugaro*

A data mais esperada para qualquer varejista brasileiro está chegando. O Natal é a melhor oportunidade para o lojista faturar mais no menor prazo possível. Mas ao mesmo tempo em que o volume de pessoas cresce exponencialmente nas lojas no fim de ano – eventos típicos de dezembro apontam uma movimentação de 23,8% acima da média mensal, segundo a Serasa Experian -, é de se considerar de que as possibilidades de perdas também aumentam no mesmo ritmo. Pior: para o varejo que registra perdas o ano inteiro, as festas de fim de ano podem se tornar uma tremenda dor de cabeça.

Uma estimativa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) apontou que mais de 100 milhões de brasileiros circularam pelas lojas de shopping ou de rua à procura de presentes de Natal em 2017. Quase dois terços dos brasileiros que vão às compras para o Natal (64%) dizem fazê-lo pela tradição. Outros 31% consideram importante presentear. Segundo a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), o movimento nas lojas, somente no período natalino do ano passado, foi de R$ 51,2 bilhões, crescimento de 6% sobre 2016.

Não importa o motivo, é imprescindível que o varejista esteja preparado com equipes treinadas e boas promoções, mas, fundamentalmente, prevenido contra ações de qualquer tipo de perda, seja no recebimento de mercadorias, rupturas no estoque e furtos, internos e externos. Só em 2017, segundo a Associação Brasileira de Prevenção de Perdas (Abrappe), o varejo nacional registrou uma perda média de 1,29%, que representa R$ 19,5 bilhões da receita do setor estimada em R$ 1,51 trilhão, valor suficiente para “criar” a sexta maior empresa varejista do Brasil em “faturamento”.

Para evitar uma significativa redução na rentabilidade de seu negócio, a prevenção de perdas, especialmente nos varejos supermercadista, moda, farmacêutico e higiene e beleza – atenção especial aos produtos de alto risco (PAR), pois são caros, fáceis de roubar e muito fáceis de revender – precisa ser iniciada antes das grandes datas comerciais. Ou seja, mesmo faltando dois meses para o final do ano, ainda há tempo para adoção de algumas medidas. Com o maior volume de pessoas, e também de funcionários, já que a terceirização de mão de obra no período é grande, as áreas mais críticas a serem monitoradas são compras, recebimento, estoque, troca de mercadorias, tesouraria, operação de caixa e transporte do dinheiro.

Nesse cenário, é de suma importância apostar em tecnologia, pessoas e gestão. A primeira deve ser compatível com o nível do negócio e de custo-benefício favorável ao empreendimento. Por outro lado, é necessário ter bons funcionários, treinados e atualizados, alinhados com os objetivos da empresa e conscientes das potenciais perdas inerentes ao negócio. E, por fim, ter uma boa gestão, com normas e procedimentos, que darão a direção mais assertiva.

A primeira coisa que se recomenda são as câmeras estrategicamente posicionadas e monitoradas por uma equipe ou um serviço remoto. As antenas eletrônicas são muito eficazes, a exemplo das etiquetas de proteção, cadeados eletrônicos e cofres inteligentes. Fazer um inventário constante e mais efetivo, bem como estar mais atento à entrada de grupos em sua loja, a manutenção de seu balcão sempre limpo e a equipe antenada são igualmente fundamentais.

Trocando em miúdos, a prevenção de perdas é investimento com retorno certo e cada vez mais deve fazer parte da estratégia da empresa e tornar-se cultural ao longo do tempo. Portanto, toda atenção é essencial. Se não tomou medidas, não perca tempo. Ainda há tempo para tornar seu Natal mais feliz.

*Diretor de Comunicação da Gunnebo

SOBRE A GUNNEBO (http://www.gunnebo.com.br)
Com sede na Suécia, e presente em 28 países, a Gunnebo destaca-se no Brasil como fornecedora de equipamentos de proteção eletrônica para o varejo (antenas, etiquetas, cadeados, CFTV e acessórios), além de ser uma referência em soluções de tecnologia para performance de loja (contadores de fluxo, cofres inteligentes, monitoramento de PDV e transferência de mercadorias) que contribuem para melhorar a gestão e os resultados das companhias da indústria e do varejo. A empresa, certificada com a ISO 9001 na categoria Produtos e Serviços, atende redes varejistas em todo o país, como Walmart, Carrefour, GPA, Sonda, Atacadão, C&A, Riachuelo, Marisa, Lacoste, Giorgio Armani, Centauro, Kiabi, Raia Drogasil, Leroy Merlin, Livrarias Saraiva, Lojas Americanas, Magazine Luiza, Coop, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Tudo sobre a economia do país

Futuro promissor para o setor farmacêutico

Futuro promissor para o setor farmacêutico Empurrado pela evolução tecnológica e legislação mais célere, setor tende a crescer Segundo dados do Empresômetro, empresa especialista em inteligência de mercado, o setor...

Com aparato tecnológico, Brasil vê sonegação fiscal reduzir nos últimos anos

Com aparato tecnológico, Brasil vê sonegação fiscal reduzir nos últimos anos Previsão é que em pouco tempo índice de sonegação fiscal esteja nos patamares dos países mais desenvolvidos Tido como...

Movimentação do 13º salário anima setor de cobrança

População economicamente ativa utiliza benefício para consumir e pagar contas Diversos participantes da economia estão em expectativa quanto aos efeitos do 13º salário. Ao receber o pagamento, muita gente aproveita...

Bons resultados no terceiro trimestre

A Evonik aumentou o EBITDA ajustado do terceiro trimestre de 2018 para 692 milhões de euros (ano anterior: 640 milhões de euros). Os dois segmentos de crescimento - Nutrition &...

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com