Young woman shopping in a vintage clothing store

Prevenir perdas para um Natal mais feliz para o varejo

VAREJISTA: AINDA HÁ TEMPO DE REVERTER PREJUÍZO EM LUCRO PARA UM NATAL MAIS FELIZ

Luiz Fernando Sambugaro*

A data mais esperada para qualquer varejista brasileiro está chegando. O Natal é a melhor oportunidade para o lojista faturar mais no menor prazo possível. Mas ao mesmo tempo em que o volume de pessoas cresce exponencialmente nas lojas no fim de ano – eventos típicos de dezembro apontam uma movimentação de 23,8% acima da média mensal, segundo a Serasa Experian -, é de se considerar de que as possibilidades de perdas também aumentam no mesmo ritmo. Pior: para o varejo que registra perdas o ano inteiro, as festas de fim de ano podem se tornar uma tremenda dor de cabeça.

Uma estimativa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) apontou que mais de 100 milhões de brasileiros circularam pelas lojas de shopping ou de rua à procura de presentes de Natal em 2017. Quase dois terços dos brasileiros que vão às compras para o Natal (64%) dizem fazê-lo pela tradição. Outros 31% consideram importante presentear. Segundo a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), o movimento nas lojas, somente no período natalino do ano passado, foi de R$ 51,2 bilhões, crescimento de 6% sobre 2016.

Não importa o motivo, é imprescindível que o varejista esteja preparado com equipes treinadas e boas promoções, mas, fundamentalmente, prevenido contra ações de qualquer tipo de perda, seja no recebimento de mercadorias, rupturas no estoque e furtos, internos e externos. Só em 2017, segundo a Associação Brasileira de Prevenção de Perdas (Abrappe), o varejo nacional registrou uma perda média de 1,29%, que representa R$ 19,5 bilhões da receita do setor estimada em R$ 1,51 trilhão, valor suficiente para “criar” a sexta maior empresa varejista do Brasil em “faturamento”.

Para evitar uma significativa redução na rentabilidade de seu negócio, a prevenção de perdas, especialmente nos varejos supermercadista, moda, farmacêutico e higiene e beleza – atenção especial aos produtos de alto risco (PAR), pois são caros, fáceis de roubar e muito fáceis de revender – precisa ser iniciada antes das grandes datas comerciais. Ou seja, mesmo faltando dois meses para o final do ano, ainda há tempo para adoção de algumas medidas. Com o maior volume de pessoas, e também de funcionários, já que a terceirização de mão de obra no período é grande, as áreas mais críticas a serem monitoradas são compras, recebimento, estoque, troca de mercadorias, tesouraria, operação de caixa e transporte do dinheiro.

Nesse cenário, é de suma importância apostar em tecnologia, pessoas e gestão. A primeira deve ser compatível com o nível do negócio e de custo-benefício favorável ao empreendimento. Por outro lado, é necessário ter bons funcionários, treinados e atualizados, alinhados com os objetivos da empresa e conscientes das potenciais perdas inerentes ao negócio. E, por fim, ter uma boa gestão, com normas e procedimentos, que darão a direção mais assertiva.

A primeira coisa que se recomenda são as câmeras estrategicamente posicionadas e monitoradas por uma equipe ou um serviço remoto. As antenas eletrônicas são muito eficazes, a exemplo das etiquetas de proteção, cadeados eletrônicos e cofres inteligentes. Fazer um inventário constante e mais efetivo, bem como estar mais atento à entrada de grupos em sua loja, a manutenção de seu balcão sempre limpo e a equipe antenada são igualmente fundamentais.

Trocando em miúdos, a prevenção de perdas é investimento com retorno certo e cada vez mais deve fazer parte da estratégia da empresa e tornar-se cultural ao longo do tempo. Portanto, toda atenção é essencial. Se não tomou medidas, não perca tempo. Ainda há tempo para tornar seu Natal mais feliz.

*Diretor de Comunicação da Gunnebo

SOBRE A GUNNEBO (http://www.gunnebo.com.br)
Com sede na Suécia, e presente em 28 países, a Gunnebo destaca-se no Brasil como fornecedora de equipamentos de proteção eletrônica para o varejo (antenas, etiquetas, cadeados, CFTV e acessórios), além de ser uma referência em soluções de tecnologia para performance de loja (contadores de fluxo, cofres inteligentes, monitoramento de PDV e transferência de mercadorias) que contribuem para melhorar a gestão e os resultados das companhias da indústria e do varejo. A empresa, certificada com a ISO 9001 na categoria Produtos e Serviços, atende redes varejistas em todo o país, como Walmart, Carrefour, GPA, Sonda, Atacadão, C&A, Riachuelo, Marisa, Lacoste, Giorgio Armani, Centauro, Kiabi, Raia Drogasil, Leroy Merlin, Livrarias Saraiva, Lojas Americanas, Magazine Luiza, Coop, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Tudo sobre a economia do país

Saiba como é possível comprar pagando menos impostos

Saiba como é possível comprar pagando menos impostos Por meio do aplicativo Citizen, do IBPT, consumidor tem acesso à sua inflação pessoal e perfil de consumo, além de saber quanto...

A importância da estruturação de negócios e planejamento estratégico para startups

Por Ricardo Frazzato * Pesquisar o mercado, planejar as ações, organizar e estruturar são ações básicas para qualquer empresa crescer. E o mercado das startups não é exceção, muito pelo...

Cinco dicas para fidelizar clientes no salão de beleza

Numa época em que as pessoas se preocupam mais com a estética, a abertura de um salão de beleza pode ser um bom investimento, mas exige atenção. Voltado principalmente ao...

Brasileiro empreende mais nos segmentos de moda e beleza

Brasileiro empreende mais nos segmentos de moda e beleza Segundo dados do Empresômetro, esse setor foi responsável por mais de 15% das aberturas de novos negócios Julho de 2019 –...

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com