Negócios e Direito: O Design Thinking como elo estratégico na resolução de problemas empresariais

Vídeo do Canal Direito da Inteligência de Negócios, da Amaral, Yazbek Advogados, explica de maneira didática o que é e como usar a ferramenta de maneira assertiva na advocacia empresarial

Setembro de 2018 – Dar presentes a alguém querido e próximo pode exemplificar da maneira mais singela o que é o Design Thinking. O termo, num primeiro momento, parece remeter ao desenho de coisas e formas, sejam digitais ou físicas. Mas design tem uma relação muito maior com as pessoas, ele serve para melhorar a vida delas, fornecendo respostas a diversas situações enfrentadas diariamente.

Voltando ao exemplo do presente, quando queremos oferecer um a alguém próximo, o primeiro passo é se perguntar o que seria melhor, não é? E com o design thinking é o mesmo. Parte-se de uma pergunta, um questionamento.

O segundo passo é se inspirar, buscar o que melhor atende o presenteado, dentro da sua realidade. Essa inspiração é baseada no que o presentado, por exemplo, gostaria de ganhar. Entender as suas necessidades e, a partir delas, descobrir novas ideias.

Um terceiro passo são as ideias propriamente ditas. Veja quais presentes foram oferecidos no passado e tenha novas ideias de presente, mantendo o foco em atender à necessidade. Nos negócios, é atender aquilo que o cliente quer, ou acha que quer.

Os outros passos são: saber se há a possibilidade de uma ideia ser tornada realidade, executá-la, testá-la  e refinar as ideias até o momento de poder oferecer aquela ideia como solução e, ao fim, criar uma ligação com o mundo e garantir o interesse naquilo. E isso é o Design Thinking.

DESIGN THINKING NOS NEGÓCIOS

O exemplo acima abordou os passos do Design Thinking, mas a sua integração com os negócios é que faz com que as possiblidades se tornem infinitas. São milhares de questionamentos e respostas que, nos negócios, contam com vários atores e fatores, sendo a coletividade de pensamento uma das melhores características.

Os negócios atuais não são mais como eram a uma década atrás, são tecnologias, processos, métodos e costumes que mudam a todo momento, e o empresário se vê diante de problemas novos e passados, mas que respostas, outrora efetivas, já não servem mais.

Mas aplicar todos os passos apresentados acima para buscar soluções é somente uma das possiblidades do Design Thinking.

Segundo a advogada Milene Regina Amoriello Spolador Ribeiros, parceira do escritório Amaral, Yazbek Advogados, deve-se partir do problema, pois ao entendê-lo: “Evitamos o desenvolvimento de soluções paliativas ou falsas; afastamos o pensamento linear baseado em acontecimentos passados e promovemos análises profundas do sistema ao redor das situações analisadas”.

LEGAL DESIGN THINKING

O Direito, em muitos de seus ramos, atua diretamente com empresários e seus negócios. O Design Thinking envolve num ambiente jurídico a persecução da garantia da estabilidade jurídica de um negócio; sua viabilidade no presente e no futuro.

“A tendência é analisar jurisprudências anteriores para estabelecer um cenário de comparação, riscos e possibilidades. Apontar riscos é parte essencial da advocacia e o cliente deve se ater a eles, considerando que há questões que devem ser levadas ao poder judiciário” explica Milene.

O papel do advogado muda bastante com isso porque ele “deixará de apenas apontar dificuldades e judicializar questões para se tornar um profissional que corre atrás de soluções efetivas, apontando riscos, sim, porém trazendo sugestões de como anulá-los ou minimizá-los”, ressalta a especialista.

O Legal Design Thinking transforma o advogado em um parceiro estratégico de inovação. Em conjunto, temos as noções de Direito de Inteligência de Negócios que estão diretamente atreladas à inovação, dinamismo e aos novos métodos de realizar negócios. 

SIMBIOSE ENTRE NEGÓCIOS E DIREITO

Uma vez entendido o conceito e sua aplicação nos negócios e no Direito, vê-se que havendo um ideal estratégico único, sendo trabalhado interdisciplinarmente, é possível criar soluções e ações que atendam aos anseios de empresários, investidores, funcionários e clientes.

O Design Thinking não é apenas um método, é uma atitude mental, um modo de se posicionar e pensar voltado para solução de problemas e inovação. E nisso a equipe deve ser uma só, havendo uma total simbiose entre todas as disciplinas, inclusive com o Direito.

Essa massa empresarial precisa adotar esse modelo, esse ideal, com o objetivo de entender produtos, modelos, processos e mais ainda, as pessoas, os seus funcionários e clientes.

Entendendo Direito

Para promover melhor entendimento do tema, o Canal Direito da Inteligência de Negócios, mantido pelo escritório Amaral, Yazbek Advogados no Youtube, apresenta um vídeo especial que aborda o Design Thinking aplicado ao Direito. Apresentado por Milene Regina Amoriello Spolador Ribeiros, advogada especializada na área tributária, formada em Direito pela Faculdade Estadual de Direito do Norte Pioneiro e pós-graduada em Direito Empresarial com ênfase em Direito Tributário pela PUC/PR. Entusiasta do Design Thinking, busca sempre estudar e aplicar as diretrizes desta metodologia e mindset em seu dia a dia. Atualmente é advogada e consultora na empresa OVD Importadora e Distribuidora Ltda., onde, valendo-se de uma visão integrada de todo o grupo, construiu uma importante ponte entre o departamento Jurídico e os departamentos Fiscal, Contábil e de Comércio Exterior, facilitando a troca de informações e experiências, a discussão de dúvidas e a busca por soluções de forma colaborativa.

Esse e outros assuntos tributários são apresentados e discutidos por profissionais especializados e que são referência no meio jurídico, pela Amaral, Yazbek Advogados em suas redes sociais e no Youtube, canal Direito da Inteligência de Negócios.

O canal pode ser acessado no link: https://goo.gl/cveAmk

Sobre Amaral, Yazbek Advogados

Criado em 1985, o escritório Amaral, Yazbek Advogados (AY) consolidou sua tradição e expertise na advocacia tributária, contenciosa e consultiva. Foi pioneiro em aliar sua alta especialização na área às peculiaridades de outros ramos do direito e de determinados setores econômicos, tal como o de praticagem. Como consequência de profundo estudo sobre direito, tecnologia e inteligência de negócios, lançou o conceito de Direito da Inteligência de Negócios como sendo o alicerce entre o direito e o mundo empresarial.

Com uma visão estratégica e atuação nacional, o escritório se diferencia também pela prestação de serviços de Governança Jurídica, com enfoque nas áreas Tributária e de Compliance, o que abrange diagnóstico, planejamento e assessoria completa aos seus clientes.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 41 3595-8300 ou pelo site http://ayadvogados.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Tudo sobre a economia do país

Na hora de abastecer, qual o combustível mais econômico?

Na hora de abastecer, qual o combustível mais econômico?   Na hora de abastecer um carro flex, a dúvida sobre qual combustível colocar em seu tanque é bastante grande. Existe...

Como evitar uma bolha de inadimplência no mercado?

Como evitar uma bolha de inadimplência no mercado? Por Mário Conforti Seis em cada dez brasileiros deixaram de pagar alguma conta no mês de maio por causa da pandemia. Entre...

Banco Central aperta cerco contra lavagem de dinheiro e ocultação de bens

Banco Central aperta cerco contra lavagem de dinheiro e ocultação de bens O TreeCompliance permite a implementação imediata de qualquer política de conformidade Por Odilon Costa A partir de 1º...

Quase 2 milhões de empresas devem migrar de regime com a nova Reforma Tributária

A proposta que o Governo Federal enviou ao Congresso Nacional – e que tende a ser aprovada em breve – deve fazer com que cerca de 50% das empresas hoje...

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com